DIETA PALEO: PRINCÍPIOS E PRÁTICA

Dieta Paleo: O que é e como fazer a dieta paleolítica ou primal

A dieta paleo, ou dieta paleolítica, tem por base a alimentação de forma natural e é inspirada nos hábitos de nossos antepassados (caçadores-coletores). Imagine uma dieta em que você possa comer quando sentir vontade, o quanto quiser, até se sentir saciado e não se preocupar com horários ou com a frequência das refeições. A promessa é de rápida perda de peso, sem contagem de calorias ou porções e sem passar fome ou sofrimento. Será que faz sentido? Este artigo analisa tudo relacionado a este modo de vida, na teoria e na prática.

Apesar de inspirada nos hábitos do paleolítico e de suas práticas parecerem duvidosas, diversos estudos clínicos atuais demonstram que essas práticas realmente têm melhorado rapidamente diversos indicadores de saúde, a começar pelo emagrecimento em ritmo acelerado.

Neste artigo, mostraremos como uma dieta baseada alimentos de alta qualidade (alta densidade nutricional) pode fazer com que as funcionalidades e o equilíbrio hormonal atuem rapidamente a favor do organismo. A partir deste equilíbrio, a compulsão por alimentos ruins (doces, massas, etc) e a fome reduzem muito, enquanto se percebe aumento da energia, disposição e perda de peso.

A ideia da dieta paleo é tentar reverter a tendência ilustrada ironicamente na figura abaixo:

Imagem já "batida", mas contextualiza bem o espírito deste projeto e da dieta paleo
Imagem que contextualiza bem o espírito deste blog e da dieta paleo

A seguir, falamos um pouco sobre como surgiu a dieta paleo. Se preferir ir logo à prática, para saber exatamente quais são os alimentos permitidos e os alimentos proibidos na dieta paleolítica, pule direto para o cardápio. Se preferir antes conhecer um caso real com imagens, conheça a minha própria experiência com a dieta paleolítica (em sua variação low carb).

Como surgiu e quais são os fundamentos (ideia base) da dieta paleo

A ideia base da dieta paleo (dieta paleolítica) é se inspirar na alimentação através da qual a espécie humana evoluiu pela maior parte da sua história (cerca de 99,5% do nosso tempo na Terra), até o surgimento da agricultura e, principalmente, após a explosão da indústria de alimentos (no século passado). A justificativa é que nossa genética está completamente adaptada a este tipo de dieta e não às expressivas modificações de cardápio que sofremos “recentemente”.

Segundo Mark Sisson, um dos principais precursores do estilo de vida paleolítico, a ideia por trás da dieta paleolítica é que:

Grãos e leguminosas não eram disponíveis antes da agricultura. Registros fósseis sugerem que a saúde humana sofreu um baque pós-agricultura, conforme demonstram estudos dos ossos. Os agriculturalistas eram mais baixos, tinham mais cáries, cérebros menores e ossos mais frágeis que os caçadores-coletores. E a expectativa de vida também caiu
O pior veio recentemente: óleos vegetais, xaropes de alta frutose, conservantes, estabilizantes, corantes, e coisas do gênero só foram disponibilizados com a indústria de alimentos, nos últimos 100 anos. Hoje, as pessoas são mais gordas, mais diabéticas e têm mais câncer e doença cardíaca do que as pessoas que viviam há mais de 100 anos, mesmo quando você leva em conta as diferenças de expectativa de vida (influenciada pelo desenvolvimento da medicina, condições de saneamento, etc.). A maioria dessas doenças são fortemente ligadas ao nosso estilo de alimentação e vida modernas.

Portanto, será que não deveríamos olhar com mais cuidado, de forma um pouco mais crítica, para os alimentos que passaram a estar disponíveis para os seres humanos apenas nos últimos 10.000, 1000 e 100 anos? E, quem sabe, as carnes, peixes, aves, nozes e sementes, frutas, raízes e tubérculos, que estavam disponíveis para os caçadores-coletores por milhões de anos, possam, em verdade, ser bons para nós?

A dieta paleo aplicada

Pessoalmente, tive uma mudança rápida e definitiva em meus indicadores de saúde quando assumi este estilo de vida e venci a obesidade, hipertensão e pré-diabetes, aos 36 anos. Para saber o que mudei na dieta (e não foi nada difícil), acesse:


Como Engordei 20 quilos em 5 anos (e Emagreci 25kg em 3 meses)…

 

Não é sem motivo o acelerado crescimento da quantidade de adeptos da dieta paleo, ou dieta paleolítica (na verdade, um estilo de vida). A seguir, detalharemos o cardápio e as maneiras de colocar em prática (variações).

CARDÁPIO DA DIETA PALEO

O QUE VOCÊ DEVE COMER NA DIETA PALEO

  • Vegetais, evitando seus grãos (cereais e leguminosas). Não se preocupe com suas gorduras naturais (ex: azeite extra-virgem, óleo de coco e castanhas). Evite gorduras vegetais processadas/industrializadas/hidrogenadas, tais como óleos de canola, soja, girassol, milho.
  • Animais (carnes, peixes, aves). Não se preocupe com suas gorduras saturadas naturais, ou partes com mais colesterol. Sobre o medo da gordura saturada natural e do colesterol, a história é longa, mas a verdade está vindo à tona. Veja mais neste artigo:
  • Ovos, verduras e frutas silvestres, principalmente as menos ricas em açúcares;
  • Demais Frutas e raízes/tubérculos (consuma com moderação, principalmente enquanto você recupera a saúde e alcança o peso-alvo do seu organismo). Depois disso, consuma à gosto (veja as versões da dieta paleo, logo abaixo neste artigo).
  • Laticínios: Há correntes paleo que aceitam que você use laticínios fermentados e integrais (com a gordura natural do leite). Eu concordo e sigo! No meu caso, consumo queijos, manteiga de leite e às vezes iogurte natural integral. Eu gosto e até hoje não achei um artigo com boa fundamentação científica para abandonar. Isso realmente me ajuda bastante. Manteiga e Queijo, por exemplo, tornam tudo mais saboroso.

O QUE VOCÊ NÃO DEVE COMER NA DIETA PALEO

Alimentos Industrializados (processados na indústria): bolachas, biscoitos, doces, óleos vegetais de sementes (de canola, girassol, soja e milho, margarinas). Desconfie de alimentos com ingredientes que você não conhece ou que seus avós não teriam (ou tenham) ideia do que sejam (conservantes, estabilizantes, sequestrantes, aromatizantes, etc).

– Grãos (cereais e leguminosas) – provenientes da agricultura, tais como trigo, arroz, milho, soja, feijão. São ricos em amidos e anti-nutrientes.

Farináceos de grãos (principalmente alimentos feitos com farinha de trigo), tais como bolos, biscoitos, pães e 99% das coisas que você encontra na padaria.

Bebidas doces (coma frutas inteiras… evite beber só o suco delas). Sucos adoçados e “de caixinha” são ainda piores. Sobre refrigerantes, acho até desnecessário comentar.

Fotos e Relato: Conheça como comecei e como foi a minha mudança de vida com a dieta paleo + low carb

Como fazer a dieta paleo – colocando em prática

Ainda sobre a prática visando emagrecimento, escrevi um artigo para dar uma ideia de como é um dia ideal de dieta paleo para emagrecer, aplicada na prática. Era mais ou menos o meu dia a dia quando perdi mais de 20 kg em pouco mais de 2 meses (link do relato, acima). Link do artigo abaixo (mas não deixe de voltar aqui para conferir as possíveis variações da paleo, em seguida).

ENFIM, COMA COMIDA DE VERDADE!:

Comida de verdade! #RealFood
Isso é comida de verdade! #RealFood. Essência da dieta paleo

PARE DE COMER, A TODO CUSTO, AS “RAÇÕES” VICIANTES QUE A INDÚSTRIA DE ALIMENTOS TE EMPURRA A TODO INSTANTE, projetados para te viciar. Exemplos:

comida industrializada não é comida de verdade
Isso não é comida de verdade e está fora da dieta paleo
"Comida" que comemos hoje. Totalmente fora da filosofia da dieta paleo
“Comida” que, infelizmente, comemos hoje e que causou uma epidemia de obesidade e diabetes. Nada natural. Nada dentro da dieta paleo.

A próxima seção deste artigo mostra as possíveis variações da dieta paleo (de acordo com os objetivos pretendidos). Se você está lendo este artigo com o objetivo de emagrecimento rápido, e não tem muito tempo para estudos, recomendo que use uma estratégia já pronta e testada. Há muito material interessante em português capaz de ajudar bastante na prática da dieta paleo e low carb. Este e-book para emagrecimento coloca em prática uma abordagem bem completa sobre low carb, com foco em alimentos da dieta paleolítica.

Hábitos comuns de um praticante de dieta paleolítica

É importante saber o que se deve comer ou o que evitar ingerir na dieta paleo. Mas isso não é tudo. Além da alimentação livre de industrializados e grãos, estar atento ao modo de vida no qual horários, frequências e quantidades de alimentos perdem importância, em relação à qualidade das refeições e aos hábitos.

Comer de 3 em 3 horas: não há fundamentação científica

Comer em intervalos curtos de tempo ou refeições com horário marcado deixam de ser importantes, pois as principais pesquisas (prospectivas e randomizadas) apontam para o sentido inverso. Até mesmo jejuns intermitentes são comuns para acelerar a queima de gordura na dieta paleo. Sobre isso, exploro com detalhes no artigo abaixo:

PRINCIPAIS VERSÕES (VARIAÇÕES) DA DIETA PALEO

1) VERSÃO PALEO LOW CARB OU (PALEO LCHF) – Baixo Carboidrato

Esta versão limita bastante a quantidade de carboidratos paleo ingeridas por dia (geralmente entre 30 e 50g de carbs). Aqui é importante uma auto-análise. Há pessoas que perdem peso de forma eficiente, mesmo com 70-80g de carboidratos por dia. Vale fazer auto-testes.

Dietas Low carb (LCHF) são muito eficientes para perder peso. A vantagem de ser paleo lowcarb está na riqueza de nutrientes. Interessante iniciar pela paleo low carb, principalmente se você estiver entrando na dieta por estar com sinais de desequilíbrios hormonais, síndrome metabólica, resistência à insulina, glicemia elevada, diabetes, sobrepeso, obeso, ou com hipertensão arterial, por exemplo. Enfim, se algo estiver errado com o funcionamento do seu organismo (foi o meu caso).

Cuidado! só entram os carboidratos paleo (aqueles que entram nas frutas, verduras e raízes). Cereais, farináceos e açúcar não são paleo e não entram em nenhuma versão da dieta. Ao comer uma fruta doce ou raiz, pesquise antes sobre seu índice glicêmico e calcule, mesmo que de forma não muito exata, a quantidade de carboidratos (em gramas) que está ingerindo. Sobre emagrecimento e quantidade de Carboidratos, o link do artigo abaixo ou mesmo o gráfico seguinte (clique nele para aumentar: gramas de carboidratos x objetivo de emagrecimento) podem te ajudar bastante:

Faixas de consumo de carboidratos (g/dia) e efeitos esperados na gordura corporal
Faixas de consumo de carboidratos (gramas/dia) e efeitos esperados na gordura corporal (fonte)

A sigla (muito usada), LCHF (Low carb, High Fat), significa baixo carboidrato, alta gordura. Cuidado novamente! Somente entram as gorduras paleo, ou seja, gorduras naturais, em suas porções e proporções naturais das carnes, ovos, peixes, castanhas, manteiga de leite (nunca use margarinas), etc. Nada de óleos industrializados de sementes (de canola, soja, girassol, milho, margarinas) em nenhuma versão da dieta.

2) VERSÃO PALEO (normal – sem forçar LOW CARB)

Fazer uma dieta paleo natural deve ser o objetivo final de todos nós. Trata-se da dieta humana mais natural possível. A dieta com a qual nossa espécie evoluiu. Não há preocupações em se contabilizar carboidratos ou gorduras, desde que esteja consumindo alimentos paleo (da maneira como a natureza nos entrega).

Costumo dizer que ninguém engorda comendo frutas e raízes. Mas também não é fácil emagrecer.

Eu, por exemplo, quando iniciei, pesava 115 kg (25 a mais que hoje) e estava com hipertensão aos 35 anos de idade. Iniciei com a versão LCHF da dieta e foi, realmente, muito eficiente. Em 4 meses, os 20 kg tinham sido eliminados. Ganhei muita vitalidade, energia, disposição.

Hoje em dia, após meu peso ter atingido o set-point (o peso que o seu organismo “quer ter”) e ter normalizado a pressão arterial, não tenho tido preocupações com os carboidratos paleo (de frutas, verduras, raízes).

3) POSSÍVEIS ADAPTAÇÕES DA DIETA PALEO (NA PRÁTICA)

No artigo que segue no link abaixo, eu conto sobre uma estratégia na dieta paleo (e outras possíveis estratégias). É controverso para alguns, mas já ajudou bastante gente, principalmente no começo da dieta. Eu Falo sobre reservar um dia por semana como uma espécie de “recompensa” (alguns chamam de “dia do lixo“), e consumir alimentos ditos “proibidos” na dieta paleolítica. As escolhas devem ser criteriosas e a estratégia tem toda uma fundamentação metabólica. Convido a ler (e volte para ler o restante do artigo, rs!):

Então este é um blog exclusivo sobre a dieta paleo, ou paleolítica?

Este é um blog de saúde. Durante meus estudos, concluí que o modo de alimentação humana mais primitivo, na maioria das vezes, é o mais próximo daquilo que a ciência têm mostrado como melhor opção para saúde e emagrecimento.

Não quero pregar que você volte às cavernas. Mas sim que a dieta paleolítica, ou primal, inspira nosso estudo e nossos artigos. Os apontamentos primais, em nosso entendimento, devem ser adaptados à nossa realidade e modo de vida atuais. Busquemos isso. É a melhor opção que temos!

Precisarei parar de comer grãos (arroz e feijão!) ?

Grãos (arroz, feijão, trigo, etc) não fazem parte da dieta paleo
Grãos não fazem parte da dieta paleo

Não vamos ser rigorosos e tratar tudo como se fosse uma religião. A Análise individual é importante. Se você está com boa saúde, sem sinais de desequilíbrios hormonais, síndrome metabólica, resistência à insulina, glicemia elevada, diabetes, sobrepeso, hipertensão, ovários policísticos (dentre outros), talvez não haja motivo para você abandonar o arroz com feijão. Porém, em qualquer um dos casos acima, e até que seu organismo volte a um estado de eficiência e saúde, definitivamente, arroz, feijão e outros grãos ricos em amido (que aumentam a glicemia e provocam picos de insulina), não lhe ajudarão.

Agora, quanto ao trigo moderno, principalmente em alimentos que usam farinha de trigo como base, insisto: abandone-o! Mesmo que você seja saudável. Falaremos especificamente sobre os malefícios do trigo, seus farináceos e o glúten, em outro artigo.

Sobre a glicemia e os picos de insulina, saiba que são os gatilhos do ganho de peso. Sobre eles, eu escrevi neste artigo:

Artigo: Diabetes – Glicemia e resistência à insulina: além do ganho de peso.

DIETA PALEO É MAIS UMA DIETA DA MODA?

Definitivamente, não. Isso é a ciência mostrando que estamos fazendo errado. Muito errado! As pessoas que têm aderido a este estilo de vida e alimentação raramente retornam ao modelo anterior. Tenho ouvido lamentações apenas no sentido de não terem aberto os olhos há mais tempo.

Na verdade, quando adotamos uma dieta para a qual estamos geneticamente “programados”, geralmente após poucas semanas, nosso organismo já se adapta e se incumbe de não nos deixar voltar para o modelo anterior. As compulsões por doces, bolos, pães e outros farináceos geralmente desaparecem. Você é, de certa forma, reprogramado e o seu organismo passa a funcionar de maneira eficiente. Colocar seu organismo em um estado ideal e dar a ele os alimentos que a natureza (e não a lucrativa e viciante indústria de alimentos e medicamentos) sempre ofereceu para a nossa espécie ao longo de sua evolução não pode ser chamada de “Dieta da Moda”.

Para que você tenha ideia de como nossa espécie responde bem a esta dieta, veja este experimento científico, que submeteu um grupo de adultos a apenas 4 (quatro!) dias de “estilo de vida paleolítico” (dieta paleo e atividades). Olhe como reduziu a gordura visceral (barriga) e como melhoraram os exames clínicos de riscos de doenças metabólicas:

Então, vamos começar a analisar o que está errado no modelo atual? Sugiro que inicie por parar de contar calorias. Isso não faz sentido. Veja:

Artigo: Contar calorias não funciona

Além de não se preocupar com calorias, também sugiro que comece reduzindo sua ingestão de carboidratos, principalmente aqueles sem valor nutricional agregado. Veja o por que:

Artigo: Fuja da dieta padrão rápido: Os carboidratos, a resistência à insulina e diabetes

E por fim, já que não se preocupará muito com calorias e reduzirá os carboidratos, precisará contar com algum aliado. Você deverá perder o medo das gorduras naturais, para tornar sua nova dieta sustentável e definitiva. Saiba o por que:

Acesse o artigo: GORDURAS NATURAIS NÃO FAZEM MAL. ISSO MUDA O JOGO!

Para quem quer emagrecer: estratégia pronta e testada (dentro da dieta paleo low carb):

Programa de emagrecimento passo a passo:

O Código Emagrecer de Vez é um programa passo a passo, com total afinidade com o tipo de alimentação que pregamos aqui no blog, estruturado em 3 etapas para emagrecimento rápido. Clique na imagem abaixo para conhecer:

codigoEDV2

Obeso, hipertenso e pré-diabético aos 36 anos… Era como eu estava antes de iniciar, por acaso, uma jornada que me levou a uma estratégia diferente e muito eficiente para perder peso… Saiba como foi:


Como Engordei 20 quilos em 5 anos (e Emagreci 25kg em 3 meses)…

 

Ah… e não deixe de me dar um retorno no e-mail da página de contato sobre o seu resultado!

 

Afinal, é o que nos motiva a escrever e difundir esse estilo de vida através do blog.

Saúde!

Abraços,

Márcio Balian
Criador e editor do saudeprimal.com.br


Obs: Não é necessário ser profissional de saúde para lhe estimular a comer comida de verdade e natural, sem processamento. Afinal, quanto mais próximo daquilo que a natureza nos entrega, mais conectado ao modo de vida paleolítico (paleo). Mas, se você possui algum sintoma da síndrome metabólica ou queira buscar um profissional (médico ou nutricionista), sugiro que opte por profissionais também conectados ao que nós divulgamos por aqui. São diversos, espalhados por todo o brasil: Veja só esta lista de profissionais de saúde paleo low carb, iniciativa do excelente Dr. José Carlos Souto.

52 Comentários





  1. Marcelo Balian

    Parabéns Márcio!! muuuuito legal o site! muito bem feito mesmo! Os textos são empolgantes!
    vai dando vontade de ficar no site por horas lendo tudo! hoje mesmo ferrou meu estudo de Direito Civil! kkkkkk
    Vai uma dica… Cuidado com alguns anúncios automáticos do google, pois trazem propaganda de cardápios pré-fabricados e “alimentos proibidos”… esses anúncios podem confundir alguns leitores menos experientes em mídia automática e acabar confundindo a proposta do seu site ou vinculando os anúncios ao conteúdo de seus artigos…

    Grande abraço!

    Responder

    1. Grande Marcelo! Obrigado pelo empolgante feed back, rs!
      Não deixe de cadastrar o seu e-mail na newsletter para ser avisado quando eu for postando novos artigos!
      Vou ver se consigo filtrar os anúncios automáticos para não trazerem conteúdos sobre alimentação e saúde! Valeu!
      Forte abraço!

      Responder
      1. Fabiana

        Oi Márcio, estou qurendo iniciar a dieta paleo. Achei seu blog muito legal. Parabéns!

        Responder
  2. Ana Souza

    Olá Márcio.Seu site é ótimo. Tive conhecimento através do Blog do Dr. José Carlos Souto.A partir de hoje seguirei uma alimentação Páleo Low-Carb e escreverei aqui sobre os resultados.Meu objetivo é reduzir o percentual de gordura corporal e eliminar os efeitos colaterais do período em que usava pílula anticoncepcional.Faço musculação.Parabéns pelo trabalho.

    Responder


  3. Cida Vieira

    Parabéns,Márcio

    Já comecei a Dieta Low Carb e sei que terei sucesso. Virou vício ver os assuntos que falam sobre isso. Na verdade um modo de vida, que quero levar para o resto da minha vida Com Saúde!!!

    Abs,

    Responder
  4. patricia

    Olá, pode me ajudar com esta dúvida: tenho lido que dentro dos alimentos permitidos pode-se comer a vontade até a saciedade. Com o objetivo de perda de peso deve-se limitar o consumo de carbos. Dentro desse consumo esta incluido os vegetais? ou quais seriam estes carbos que devem ser consumidos com moderação.

    Responder

  5. Olá Márcio!
    Gostei muito do seu artigo. Tenho certeza absoluta que vai ajudar muitas pessoas.
    Estou estudando mais sobre dieta paleolítica e chega a impressionar como muitos médicos e nutricionistas parecem não saber ao certo como nosso metabolismo funciona, recomendando dietas que até mesmo nos fazem mal.
    Estou escrevendo sobre isso em meu blog e sempre indo atrás de referências sérias.
    Parabéns pelo ótimo conteúdo.
    Um grande abraço.

    Responder
  6. Luiz Fernando

    Legal! Estou animado para começar a aplicar estes conceitos. Faz muito sentido! Espero emagrecer ao menos uns 2 kg por semana, rsrs
    Obrigado por compartilhar seu conhecimento sobre essa dieta.

    Responder
  7. celestina

    Olá, leio tudo que postam em dietas sem carboidrato, faço um reeducação alimentar, em junho fará um ano e me sinto cada vez melhor, não consumo nenhum carboidrato fino e nem complexo (grãos), como frutas abacate, água de coco, verduras verdes, tomate, cebola, carne, ovos caseiros. Agora de poucos dias estou tomando iogurte (kefir) com leite de coco. Não estou tomando mais remédios para diabete. Conscientizei meu cérebro que devo comer para viver e não “viver para comer”. Se estou certa ou errada só tempo dirá, eliminei dez quilos do meu peso e quem for fazer a dieta precisa treinar o cérebro diariamente porque alimento é mais vício, ansiedade que fome. Abraços!!!!!!!!!!!!

    Responder

    1. Olá Celestina!
      Parabéns pela determinação e pelos resultados. Nem precisa esperar o tempo para dizer que vc está conduzindo corretamente sua dieta. Comida de verdade sempre!
      Abraço!

      Responder




  8. Fábio

    Oi amigo, me interessei pela dieta.
    Posso comer fritura?
    E sobre temperos, o que posso e o que não posso usar?
    Vi em outro lugar que tem que variar a dieta, fazer 15 dias de dieta e 7 dias comendo normal, é assim?
    E eu não consigo comer sem beber algo, tem alguma coisa que possa beber?
    Abraço.

    Responder

    1. Olá Fábio! Pode fritar sim, desde que em gorduras naturais (evite óleos industrializados, de sementes). Não vejo problemas com temperos: use os que gostar, os mais naturais (sem químicas). Essa questão dos 15 dias, depois 7 normal não faz sentido: estragará tudo, certamente. O que vejo algumas pessoas fazerem com sucesso é, dentro da semana, tirar 1 dia para comer “normal”. Isso costuma funcionar bem.
      Abraço e boa sorte!

      Responder
  9. Aina

    Comecei a Paleo/Low Carb há mais ou menos dois meses. No inicio foi difícil a adaptação, mas segui firme e agora ta tranquilo. Eu faço musculação e muay thai todos os dias e não me sinto fraca quando estou treinando, pelo contrario, o meu rendimento melhorou. Apesar de tudo isso, apesar de sentir o meu corpo mudar, não via a balança diminuir. E isso me deixava pensativa, porem, eu estava me sentindo tão bem com esse estilo de alimentação que decidi desencanar da balança e apenas sentir meu corpo. E nesses dois meses vi e sentir meu corpo mudar. Ontem voltei no retorno com a nutri, e ela me deu os parabéns. Perdi 1,4 de gordura e ganhei 1,9 de massa muscular. O meu objetivo é exatamente esse. Ganhar massa e perder gordura. É um estilo de vida que me fez muito bem, e não pretendo deixar de segui-lo nunca.

    Responder
  10. Alice Villela

    Oi Márcio, tenho visto em vários insta que eu sigo, há um tempo, postagens sobre o estilo de vida Paleo, até que em uma conversa com uma nutricionista ela me indicou essa dieta, já que lhe contei sobre minha longa jornada de idas e vindas na luta contra o sobrepeso. De cara já aceitei mas com receio, testei neste último final de semana e me saí muito bem e vi que não era um bicho de 7 cabeças, mas meu receio maior era quando eu fosse treinar (treino muay thai o que exige de mim uma boa dose de energia), eu imaginava que ficaria fraca e até poderia passar mal, esse mito foi derrubado ontem, pois ontem comecei pra valer e já treinei a noite sem nenhum efeito ruim.
    Em fim, comecei hj a ler seus artigos e gostei demais, achei muito esclarecedor, e lendo aqui foi que consegui ainda mais motivação pra seguir com esse novo (e definitivo) progresso. Estou lendo ainda todos os sub links aqui deste artigo, mas já te parabenizo pois explicou de forma simples e objetiva o que queremos saber.
    Obrigada por isso.

    Responder

    1. Obrigado, Alice!
      Senti que nas atividades físicas, estando ceto-adaptado, a energia e animação são maiores do que com a abordagem tradicional.
      Bom proveito e conte com a gente!

      Responder
  11. Marina

    Olá Márcio! Sou intolerante à lactose desde bebê e agora descobri intolerância ao glúten. Antes de chegar a este blog, estava triste e desanimada. Mas agora acho que tenho tudo pra ser saudável. Vou estudar sobre a dieta paleo para dar para mim e minha família o melhor da alimentação. Obrigada por compartilhar!

    Responder

    1. Olá Marina!
      Pode ter certeza que esta dieta se encaixa facilmente às suas intolerâncias. Parabéns pela decisão e siga firme.
      Conte conosco! Saúde!

      Responder
  12. Pedro

    Boa tarde Márcio,

    Estou começando a fazer está dieta, tenho uma duvida, a respeito do queijo colonial, ele pode ser incluso nessa dieta sem preocupação?

    Responder
  13. Cristiane

    Olá,
    Estou pensando em fazer a dieta, mais para manter meu peso e ganhar massa magra.
    Gostaria de saber se pode usar na dieta a farinha de mandioca, a goma da mandioca (tapioca), a farinha de inhame, ou outras farinhas que venham de alimentos naturais.
    Obrigada,
    Cristiane

    Responder

    1. Olá Cristiane,
      Inserir farinhas de alimentos paleo são opções melhores que farinha de grãos. Para ganhar músculos, a inclusão dessas farinhas deve ser avaliada de acordo com o nível e o tipo de atividade física. Os melhores resultados em ganho de massa magra, segundo alguns bons ensaios clínicos, foram com exercícios intervalados HIIT + LCHF (low carb, high fat) + alta proteína.

      Responder

  14. Tathiana

    Márcio, parabéns e obrigada pelo site! Adorei o conteúdo que você disponibiliza e a sua experiência. Abraços!

    Responder
  15. Sara

    Olá, Márcio. Estou encantada com a riqueza de informações citadas aqui. Pretendo começar uma dieta e vou optar por esta. Gostaria de saber sobre shakes, posso inserir shakes nessa dieta? Obrigada desde já pela atenção.

    Responder

    1. Obrigado, Sara!
      Sem dúvidas, está fazendo a melhor das opções… mantenha-se firme com a dieta paleo nas primeiras semanas e depois ficará bem mais fácil.

      Responder

    1. Olá Jenifer!
      Todas as pessoas diabéticas deveriam, sim, fazer esta dieta. Há vários relatos de reversão do diabetes tipo 2, principalmente com abordagem low carb. Claro que sugiro acompanhamento profissional. No final do artigo coloco um link para uma lista (por região) de profissionais de saúde alinhados com low carb. Bom proveito!

      Responder

  16. VALERIA TRINDADE CAMARGO JANNY

    Olá, faço uma dieta parecida porém atrás dos omegas 3,6 e 9, uso linhaça e amêndoas, além de beldroega e ora pro nobis; tb dou atenção para o pH dos alimentos, já eliminei todos os processados da minha vida e do meu filho.
    Estou bem próxima da cetogenica, porém não consumo carnes de aves e mamíferos, nem leite e iogurtes, apenas queijos amarlos e ghee, consumo maçã, pera (em pequenas qtd), abacate e coco à vontade, e todas as berrys.
    Tenho linfoma de Hodgkin, esclerose nodular, e resolvi não fazer quimioterapia, tive uma reação muito forte à primeira sessão e fui internada com risco iminente de vida.
    Então pesquisando descobri que o consumo de carboidratos está relacionado a todas as doenças inflamatórias, degenerativas e autoimunes, além de ter efeito devastador no cérebro.
    Glúten, leite e carboidratos tem relação direta com aumento da permeabilidade intestinal, disbiose, baixa imunidade, osteatose hepática e gordura vísceral.
    Dica: procure as palestras do dr.Lair Ribeiro (cardiologista e nutrologo), e os estudos do dr. Otto Warburg, médico fisiologista duas vezes ganhador do Nobel de medicina, estudou o metabolismo das células cancerosas nas décadas de 20-30, ele que “descobriu” o metabolismo cetogênico como alternativa ao metabolismo de glicólise celular, e cunhou o termo cetogênese, foi assim que naquela época, que não existia quimioterapia, criou uma dieta inicial cetogênica que curou pessoas com câncer, até hoje não conseguiram contestar os estudos dele.
    Mais tarde na década de 50, a tb alemã, dra. Budwig, aperfeiçoou a dieta cetogênica, incluindo o óleo de linhaça extra virgem como fonte essencial de ômega 3,6 e 9, que auxilia a cetogênese celular, ela foi indicada 7 vezes ao Nobel.
    Até hoje o Instituto Budwig, cura pessoas com câncer usando a dieta cetogênica.
    Então optei por alteração de hábitos alimentares e de vida, conjugando a dieta, com exercícios respiratórios, Yoga e meditação, além de redução dos estímulos estressantes, para obter minha cura sem a quimioterapia.
    Obrigada pelo seu blog auxiliou a fortalece o que acredito.
    Abraços.

    Responder

    1. Olá Valéria!
      Eu é que tenho que agradecer pelo seu valioso comentário, que com certeza acrescenta e contribui com o nosso projeto!
      Parabéns por se destacar e buscar a verdadeira ciência como caminho, apesar de tantas barreiras.
      Que você tenha sucesso sempre! Um abraço!

      Responder
  17. Endy Barbosa

    Bom dia Márcio!

    A tapioca está liberada para a dieta?

    Obrigada!

    Responder

    1. Olá Endy!
      Não é indicada a tapioca para emagrecimento, por provocar picos de glicemia e insulina… Porém, após atingir o peso pretendido, não é dos alimentos ruins para manter no seu estilo de vida paleolítico.
      Sucesso!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *